outubro 27, 2017

Receita: Pipoca doce com groselha (rosa)


Sabe aquelas vontades de comer um doce, mas que precise ser simples e rápido? Essa receita de pipoca doce com groselha é melhor coisa que você vai ter para passar essa vontade. Além de saborosa, ela é atrativa aos olhos. Pode ser oferecida em lanche, como lembrancinha de festa ou mesmo em ornamentação de mesa e aniversário.

A receita é fácil e você pode fazer na panela que tiver em casa. Veja o passo a passo de como fazer pipoca doce com groselha.

Ingredientes:
1 xícara (chá) de milho para pipoca
1 xícara (café) de óleo
1 1/2 xícara (chá) de xarope de groselha
100 g de açúcar normal ou cristal

Modo de fazer:
Em uma panela ponha o óleo e o milho de pipoca. Espere estourar e reserve metade na panela e a outra metade em um pote. 

Em outra panela coloque o açúcar e o xarope de groselha. Misture para incorporar e em seguida ligue o fogo e deixe ele de médio a baixo. Assim que o açúcar derreter coloque em fogo baixo e mexa até que ele forme uma calda fina, mas que não chegue em ponto de caramelo. 

Isso faz toda a diferença – recebi alguns feedbacks no Youtube de pessoas que falaram que a calda ficou muito grossa. Isso acontece quando se demora muito para desligar o fogo. Ela precisa ficar grossa, mas ainda líquida. Assim que ela atingir esse ponto, desligue o fogo e vá jogando em cima da pipoca da panela. Vá derramando cuidadosamente. Depois misture bem. Vá acrescentando o restante da pipoca que ficou no pote e jogue mais calda por cima e misture até ficar bem homogênea. 

Depois, em uma forma ou refratário de vidro coloque a pipoca lá bem espalhadinha para dar uma “secada”, ela ficará beeem crocante e sequinha, sem ficar melada.


Façam aí e me digam se não fica uma delícia! Abaixo separei inspirações de como apresentar a pipoca rosa.


 



Continue Lendo
Nenhum comentário
Compartilhe:

APLV tem cura?

mãe na massa


Sou mãe de um APLV e a alergia ao leite de vaca já é mais do que uma realidade na minha vida. Precisei cortar tudo que levasse leite e seus derivados da minha dieta e, com isso, emagreci pelo menos sete quilos. Não estou feliz com isso, visto que eu já era magra. Ivan, por sua vez, é beneficiado da minha decisão, já que ainda mama no peito com quase dois anos de idade e nunca mais teve outro sintoma de alergia do que aquele em setembro de 2016. 

Quando descobri que meu filho tem alergia ao leite fiquei chateada, mas isso passou. Vi que existe vida boa nessa condição, porque isso é uma condição. Conversei com muitas mães que me confortaram que tudo isso passa. Para alguns a alergia vai embora mais cedo, para outros ela dura alguns anos. Ivan está chegando no segundo ano de vida e sei que ainda é alérgico, porque toda vez que como algo que leva leite ele fica com diarreia ou encatarrado. Já a alergia cutânea já quase não é mais vista, mas dependendo do que encoste nele surgem bolinhas.

Ou seja, com quase dois anos, Ivan ainda tem alergia ao leite de vaca. Em um papo com a Juliana Campos, do Blog Mãe na Massa, ela me contou como foi o processo de descoberta da cura da alergia ao leite com o filho dela. O Arthur, caçula dela, foi APLV até ter quase quatro anos. Ela ia testando ele até ver que ele estava curado. Assim como eu, ela também deu peito pra ele por muito tempo.

Confira o bate papo no vídeo abaixo:


Se você está na mesma situação que eu, fica calma. A APLV, por mais que não exista cura, jamais será uma doença. Ela é uma condição que impede o consumo de qualquer alimento. No mais, a vida segue normalmente. Hoje em dia temos muitos alimentos que substituem leite de vaca e a indústria de alimentos naturais e para alérgicos vem crescendo. Marcas como a Jasmine, Aruba e Schär estão aí para nos ajudar! Além disso, podemos lembrar os leites vegetais, que estão aumentando em sua variedade - e tenho fé que um dia o preço irá abaixar.

Um dia de cada vez e vamos fazendo pequenos testes periódicos em casa ou no médico até que cheguemos a essa cura. Ela vem, sim, para a maioria das pessoas. Alguns mais cedo, outros mais tarde. Acredito que a expectativa da gente é o que mais frustra, mas se encararmos como um propósito, tudo passa a ser mais tranquilo ou menos sofrido.

Continue Lendo
Nenhum comentário
Compartilhe:

Alimentação do Ivan no primeiro ano de vida


Quando Ivan fez um ano iniciamos uma nova fase na alimentação dele – extinguimos qualquer comida pastosa que pudesse haver que não fosse purês. Se antes a comida dele era feita separadamente da nossa, ele passou a comer o mesmo que nós. Exceto pelos embutidos, que ainda não ofereço e nem sei quando oferecerei. O fato é que nas refeições principais Ivan já divide conosco o mesmo cardápio. O tempero é o mesmo, inclusive.

Já no café da manhã, o desjejum é feito com frutas. Sempre. Disso eu não abro mão. Pode entrar, bolo, pães e tapica. A fruta é a primeira coisa a oferecer. Raramente dou suco de fruta a ele, então quando dou não fico na neura de “ele está tomando a fruta e não comendo-a” ou “ele está perdendo as fibras”. Aqui basicamente sou bem sossegada quanto a alimentação do Ivan, até porque ele já é alérgico a leite, então isso já restringe muito a alimentação dele.



Outro motivo é porque tanto eu quanto meu marido somos adeptos de uma alimentação saudável sem neuras. Isso significa que preferimos alimentos naturais aos industrializados, prefiro eu mesma fazer meu tempero caseiro, meu molho de tomate e biscoitos, mas se precisar comprar vou comprar pronto, mas escolhendo dentre aqueles que é mais próximo o possível do natural.

Outro detalhe da alimentação dele é que depois que ele fez um ano passei a adoçar bolos, biscoitos e outras coisas com mel. No início ele estranhou, mas como bom filho de Priscilla, logo captou toda a essência do doce. Ao longo desse primeiro ano fui trocando mel por açúcar mascavo e o cristal orgânico chegou agora no final, com ele já quase fazendo dois anos. Uso em bolos e biscoitos apenas.

Ivan experimentou muitos alimentos ao longo desse ano, dentre eles está o picolé de frutas, uva (que eu morria de medo dele engasgar) e assim como pipoca (mesmo motivo). Pipoca ele foi provar na escola, mas em casa nunca ofereci. Aproveitei para inovar nos sabores de bolo indo desde o tradicional chocolate (cacau 100% sem açúcar) até o de maracujá.


Tivemos altos e baixos na alimentação também. O que era muito fácil (ele comia muito bem), passou a ser um teste de resistência pra mim. Antes era apenas quando os dentes nasciam, agora é porque o Terrible Two já chegou. Comprei vários pratinhos, colheres e inovei também na apresentação dos pratos. Variei cardápio, fiz até finger food do trivial (almôndegas, kibe de abóbora, nugget de peixe, bolinho de arroz, batata canoa) e nada funcionava.

Hoje é assim: ele come muita variedade, mas tem que estar em um dia bom. Ele aceita bem apenas quando o pai oferece comida a ele. Comigo ele sabe que terá que comer sozinho. Eu até dou na colher pra ele, mas quero que ele também tenha a dele. Falando nisso, ele já come sozinho, sabe usar garfo, ainda que a colher tenha um pouco de dificuldade ainda. Mas a preguiça, mermão, ela atrapalha tudo. E Ivan se entrega muito fácil a ela.

Sei que é fase e passa, como tantas que tivemos, por isso apenas eu relevo e respiro tranquila. Vejo que tem dia que ele senta ao meu lado e come normalmente. Quando vejo a autonomia dele bebendo suco no copo e na caneca sem auxílio de bico me dá orgulho. Quando ele toma café da manhã sozinho, pegando pão e o leite de coco como gente grande, quando pega o prato e leva até a pia e, principalmente, quando acaba de comer e fala: “mais!”.

O segredo é não forçar e tornar esse momento um estresse. Equilíbrio é a solução.
No vídeo abaixo falei sobre como era a alimentação do Ivan quando ele fez 1 ano. Veja e acompanhe a diferença.


Continue Lendo
Nenhum comentário
Compartilhe:

outubro 24, 2017

Por que você quer ser blogueiro?



Houve um tempo na internet que ser blogueiro era o suprassumo do sucesso e todo mundo queria ser um. Quanta inocência. Dentre tantos blogs mundo afora, poucos se destacavam e conseguiam fazer daquilo um negócio. As coisas mudaram e o Marketing Digital ajudou a qualquer um ganhar dinheiro na web. Ao mesmo tempo, as redes sociais ganharam impulso e passaram a elas mesmas serem um importante canal de relacionamento entre pessoas e marcas. Logo, todos quiseram ser um "Facebooker", "Instagrammer" ou "Youtuber". Pra reunir todos em um pacote só surgiu o termo influenciador digital.

Aqueles que começavam a colher ou louros de seus trabalhos com publicidade, parcerias e presskits ganharam visibilidade e se tornaram referência do que muitos queriam ser. A partir de então houve uma corrida desenfreada para ser influenciador digital. Como muitas agências valorizam apenas os números, e alguns perfis acabavam realmente atraindo um alto número de seguidor, a busca desenfreada por números passou a se tornar uma constante. Os que mais tinham seguidor, curtida, visualizações e comentários.

A premissa básica de conteúdo, no entanto, seguiu ladeira abaixo. Vê-se mais do mesmo, vitrine de egos e pouca informação que agregue valor. Perfis de moda, por exemplo, poderiam facilmente se transformar em perfis de lojas tamanha a legenda incluindo referências de marcas. Dicas, tutoriais, assuntos práticos ficaram de fora. E isso vem ocorrendo em diferentes nichos. Aliás, em qualquer nicho.

Com tanta concorrência eu pergunto: por quê você quer ser influenciador? Pra ser famoso? Por dinheiro? Por status? Pra receber brinde? Se sua resposta foi sim para qualquer uma dessas perguntas, sinto muito em lhe dizer: você está fadado ao fracasso. Influenciador é todo aquele que de algum modo impacta a vida do outro, não apenas induzindo-o a comprar o que você oferece, mas alguém que leva as suas palavras pra vida dele. Que encaixa seu conteúdo na rotina dele.

Se você não tem a noção do quão impactante isso é, preciso lhe alertar: é algo muito maior do que qualquer brinde pode te dar. Essa fama repentina passa conforme as redes sociais mudam algoritmos ou até mesmo todo o formato delas. Muitos daqueles que um dia foram blogueiros hoje vivem apenas em uma rede social, correndo o risco de sumirem a qualquer momento por uma nova web celebridade que surgiu.

O conteúdo parece ter ficado em último plano. Vejo pais exibindo crianças em perfis para elas como se fossem modelos e eu me pergunto "por quê?". Por quê exibir um ser tão imaturo em um local tão cheio de maldades e perigos? A internet é um local estranho e cruel para nós adultos, por quê não seria para esses pequenos? Em troca de quê você coloca fotos de crianças posadas feito mini modelos? Perdendo a espontaneidade em troca de likes? Há de se refletir por quê decidiu fazer isso. Se porque todo mundo faz ou por alguma frustração que o responsável tem. Vejo tantos sem a consideração de uma mísera marca d'água. Vai saber onde aquela imagem pode estar rolando depois.

A sede de fama faz com que muita gente perca a noção e o discernimento. Dentre tanta concorrência na internet - porque sim, qualquer um é influenciador hoje em dia - o que te faz diferente? Por que você acha que a empresa X vai querer você e não outro? O que eu vejo é tanta gente fazendo um ótimo trabalho que logo não terá espaço para todos. Afinal, se só números contam, qualquer um que compra seguidor pode ser o que o outro é por esforço.

Vejo tanta gente gastando dinheiro pra ter números altos, que poderiam ser gastos comprando aquilo que quer ganhar. Ou ainda, forçando uma barra pra ser aquilo que não é e acabando com o espaço de quem realmente luta para ser.

Além disso, criou-se uma rivalidade entre os próprios influenciadores por causa de seguidor. Muitos menosprezam o outro porque ele tem número menor. Há quem dê atenção e comente apenas em quem é grande e não valoriza e nem liga pra quem tá começando ou quem realmente não consegue crescer.  No vídeo abaixo eu faço um enorme desabafo sobre tudo isso. Aproveita e se inscreve lá no canal!


Termino o vídeo repetindo a pergunta: por quê você quer ser influenciador? Tem que ser por amor! 

Menos vídeos de recebidos.
Mais vídeos de resenhas e terminados!


Continue Lendo
2 comentários
Compartilhe:

Arquitetando no Discovery Home & Health

ANTES

DEPOIS

Vocês gostam de programas de decoração? Eu adoro, principalmente daqueles que dão dicas acessívis para que possamos colocar em prática na nossa casa. Às vezes eu gostaria de poder mandar uma cartinha para esses programas do estilo do Discovery Home & Health pra deixar minha casa igual ao que eles fazem, principalmente porque alguns são feitos nos EUA e tem lojas que existem apenas lá. Mas fiquei sabendo que terá dica utilizando objetos de uma famosa loja que tem aqui: a Etna.  A partir de 26 de outubro, a designer Kaká Salgado dará toques especiais sobre decoração nos intervalos da programação do canal, sob o nome de Arquitetando.

Toda produzida em parceria com a rede varejista, a nova temporada apresenta cinco episódios de três minutos de duração. Em cada um deles, a designer ajuda uma família a repaginar ambientes que andam sem graça e com pouca funcionalidade - quarto de casal, quarto de adolescente, cozinha, sala de estar e sala de jantar são as atrações destacadas na série. Com olhar treinado, Kaká faz uma visita inicial para conhecer o espaço, além das necessidades e expectativas dos participantes. As ideias que surgem nessa primeira conversa se materializam nos corredores da Etna.

Esse programete é uma coprodução entre Discovery Home & Health e a Oficina Filmes, com patrocínio da Etna, viabilizado pela Artplan, agência de comunicação da marca. A série foi desenvolvida pela área de branded entertainment da Discovery Networks no Brasil, departamento que cria projetos customizados junto à equipe de produção e a empresas parceiras. Agora finalmente vou poder ver o que tem na TV e correr pra uma loja, já que é vendida no Brasil. Vocês também ficam de olho nesses programas e desejando os itens de decoração?


Continue Lendo
2 comentários
Compartilhe:
Blog da Priscilla/Garota de Escorpião existe desde 2010. Tecnologia do Blogger.